Autoridades chinesas afirmaram que o novo coronavírus foi encontrado em uma leva de frangos importados do Brasil.

A carga foi importada para a cidade de Shenzhen, uma das mais importantes da China.

Autoridades chinesas afirmaram que o novo coronavírus foi encontrado em uma leva de frangos importados do Brasil.

Numa grande (suspeita) de cartada comercial e aparentemente para prejudicar o agronegócio do Brasil,autoridades chinesas afirmaram e espalham para todas as localidades de que o novo coronavírus foi encontrado em uma leva de frangos importados do Brasil após testes. 

Segundo comunicado do governo chinês no dia 12 de agosto de 2020, segundo o diagnóstico foi feito através de testes em uma amostra retirada do lote. O que fica mais estranho,e suspeito, é que a maioria dos produtos que saem do Brasil, passam pelo crivo de inspeções da agência sanitária, antes de chegar no local onde os produtos são exportados, por ora, muito suspeito que somente lá, funcionários que entraram em contato com a carga brasileira que já foram testados tiveram resultado negativo para a covid-19.

Essas autoridades chineses afirmaram ainda que o coronavírus foi encontrado também em um lote de camarões vindos do Equador. Outras cidades haviam relatado episódios de frutos-do-mar importados contaminados com o novo coronavírus. Lembrando que quem causou esse“ caos “mundial foi a China e seus apoiadores OMS — Organização Mundial da Saúde — cujo juntamente trouxe o pânico no mundo inteiro — e sabem que no Brasil, foi criado alguns decretos suspeitos, além disso, fácil de se elevar o número de contaminados, pela forma controvérsia de analisar os casos — nunca foi questionado pela OMS, e da próprias autoridades chinesas que se calou, dando poucas informações sobre o vírus, e agora dizem que tem aumentado esforços para rastrear essa mercadoria vinda de outros países.

O centro de prevenção e controle de epidemias da cidade de Shenzhen afirmou em nota ainda, no sentido de prejudicar o agronegócio brasileiro — é o que mais parece nesse momento de crise — que o público precisa ser cauteloso com carnes e frutos-do-mar importados.

Os produtos teriam vindo da fabricante brasileira Aurora, que, deu resposta via meios de comunicação, que aguarda manifestação das autoridades competentes e que tem medidas rigorosas de segurança e cumpre as normas sanitárias.

O Ministério da Agricultura respondeu em nota que acionou autoridades chinesas buscando informações que esclareçam o caso e que, até dia 13 de agosto de 2020, não havia obtido uma resposta. O Ministério afirmou ainda que “reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob SIF [Serviço de Inspeção Federal], visto que obedecem protocolos rígidos para garantir a saúde pública”.

Relação comercial

A China é a maior parceira comercial brasileira e grande compradora de produtos do agronegócio. O país comprou no ano passado 63,4 milhões de dólares em produtos brasileiros, à frente de parceiros históricos como os Estados Unidos e Argentina. No entanto, precisamos analisar com cautela e desconfiança, essas medidas e suspeitas estranhas — porque essas autoridades, fizeram questão de espalhar rapidamente esses problemas para toda Ásia e Europa, chegando até alguns países a vir cancelar compras de mercadorias do Brasil. As vendas para a China representaram quase um terço de tudo o que o Brasil exportou para o exterior.

A maior parte dos produtos são derivados da soja, minério de ferro, outros minerais e petróleo. A pecuária tem participação expressiva em valores. Só em carnes de aves, foram 790 milhões de dólares, ou 2% das vendas do Brasil aos chineses. Em carne bovina e suína, foram outros 2,9 bilhões de dólares, ou quase 7% das vendas brasileiras.

Na questão do coronavírus

O Brasil tem ao todo 104,263 óbitos e 3,2 milhões de casos de coronavírus, segundo boletim compilado junto às secretarias estaduais pelo consórcio da imprensa. Esses dados somente foram elevados por decretos de governadores e apoiados por autoridades, portanto, a maioria dessas pessoas“ não morreram com covid-19”, no entanto, para elevar esses números, e criar pânico, medo e pavor nas pessoas, tanto a OMS, como governos e autoridades fizeram esse acordo praticamente sabendo e tendo conhecimento que seria possível através de decretos suspeitos e inconstitucionais, modificar dados e aumentar o número de mortos para coronavírus — e isso, foi endossado por alguns órgãos de comunicação da grande mídia marrom.

No ano de 2018, 2019 tivemos mais mortes do que 2020 com coronavirus.

A China foi o primeiro epicentro da pandemia, mas estranhamente, e num passo de mágica,conseguiu controlar o vírus nos últimos meses e vem tendo números baixos de novos contágios. Atualmente, a China tem 89,045 casos e pouco menos de 5,000 mortes contabilizadas. Enquanto outros países os números não param segundo, a OSM (Organização Mundial da Saúde) , grande parceira das autoridades chinesas.

Após um pico que chegou a ser de mais de 15,000 novos casos diários, o país vem registrando menos de 300 novos casos por dia. No Brasil, foram 58,000 novos casos no boletim nesses dias atrás, e os números têm ficado acima de ao menos 30,000 novos casos diários.(tudo suspeitos e duvidosos)


A maioria desses países, apoiadores do Covid19, estão em uma briga gigantesca, desesperados para quem vai descobrir a vacina da cura primeiro — alguns deles, como a China, Rússia, e outros, querem usar o Brasil como parceira(esse é o nome usado por eles) , para que brasileiros mal-informados, ou desatentos, sejam os“ voluntários “da terceira ou quarta fase dessa vacina.

Olhe, acreditem, não faltará gente para essa fila...

Esqueceram das recomendações, dadas por vários especialistas, de que simplesmente, ficaria mais barato, o uso do Zinco, hidroxicloroquina e Azitromicina — poderia segundo eles, resolver o problema de muita gente com Covid-19.

Abaixo a nota do Ministério da Saúde,sobre a suspeita de autoridades chinesas.

Nota do Ministério da Agricultura.

Esclarecimento sobre suposta detecção de coronavírus na China em asa de frango importada do Brasil.

Na publicação, a nota no site do município de Shenzhen, província de Guangdong, com informações da autoridade sanitária local sobre uma suposta detecção de ácido nucleico do coronavírus na superfície de uma amostra de asa de frango congelada, oriunda de um lote importado do Brasil.

Segundo a nota, outras amostras do mesmo lote foram coletadas, analisadas e os resultados foram negativos.

O Escritório de Prevenção e Controle de Epidemiologia de Shenzhen informou que todas as pessoas que manusearam ou entraram em contato com o material testaram negativo para a COVID-19.

Até o momento, o MAPA [Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento] não foi notificado oficialmente pelas autoridades chinesas sobre a ocorrência.

O MAPA ressalta que, segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), não há comprovação científica de transmissão do vírus da COVID-19 a partir de alimentos ou embalagens de alimentos congelados.

O MAPA reitera a inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob SIF, visto que obedecem protocolos rígidos para garantir a saúde pública.

Possivelmente, que a China está procurando algumas estratégias para conseguir escapar da crise econômica (crise ainda não assumida por seu governo) da qual, vive hoje. A China vem passando por uma de suas maiores crises econômicas, e iniciou uma guerra comercial entre Chino X EUA — em um futuro próximo com a Europa — a China poderá entrar em colapso no ano de 2022 e, chegar em 2024 como a maior economia do mundo. Independentemente de qualquer coisa, temos muito respeito, carinho, queremos o bem de todos os irmãos chinês

Prof. Jucelino Luz

Veja as Cartas

 

 

Services House Hotel

Book Selling

Online and by letter customer service

Power-up operation

Public Lectures

With privacy and the concern to make your stay as good as possible. More info here.

 Contact Us

Adress mail box 54
Contact us, we would love to know and help you!

Endereço caixa postal 54

Águas de Lindóia - SP

+55 (11) 97445-7077

jucelinoluz44@gmail.com

Atendimento via carta ou e-mail