A podridão do Poder : Egoísmo, crimes ,corrupção – na Argentina

A podridão do Poder :  Egoísmo, crimes ,corrupção – na Argentina

A podridão do Poder :  Egoísmo, crimes ,corrupção – na Argentina  &  América do Sul  ( central )  

Como seria  ótimo  se no Brasil  tivéssemos  uma ação rápida como em outros  países – infelizmente, na América  do Sul entre 6  a  9 Políticos  ganharam o poder  por crimes  de corrupção , mandantes de crimes, lavagem de dinheiro, assassinatos  e roubo aos cofres Públicos – texto parcial  da carta  de   10  de julho  de 1994  – onde uma das partes, é dedicada à  Argentina ( sonhos  e visões ):

Visões  premonitórias  – de  10  de julho  de 1991 ( transcrito )

argentina-economia

(  Não estamos aqui prejulgando ou mesmo julgando qualquer pessoa  , apenas trazemos  o texto escrito em data acima , na visão espiritual  – onde muitos  deles se concretizaram  e estão  acontecendo nos dias atuais .. .)

Eis que então, teremos um dos maiores atentados contra  a Argentina,  no dia 18 de julho de 1994, mais precisamente às 9h52min da manhã, a explosão de um carro-bomba matará  85 pessoas, a maioria judeus, chocará um país. O grupo terrorista Hezbollah  será  responsabilizado pelo crime. Não trata-se de um país do Oriente Médio. Trata-se de uma nação vizinha ao Brasil, a Argentina. E  eis, que infelizmente  , nesse episódio, há  envolvimento de Políticos  famosos na Argentina – nessa ato criminoso . O atentado será na  sede da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), localizada no bairro de Once, em Buenos Aires,. Uma  das vítimas  em especial, será  Andrea Judith Guterman, com 28 anos, nesse  atentado. Será  na rua Pasteur 633, local do crime, mas sim, será pulverizada em outros pontos da cidade.  Uma outra vítima  é Paola  Czyzewiski   .  Os atentados na Argentina contra a embaixada de Israel – vai ser  em 1992 e que deixará  29 mortos – e a associação judia AMIA – de 1994, deixará  em torno de  85 mortos – aqui está os  esclarecimento e o caso se  complicará  com o assassinato   do promotor encarregado, Alberto Nisman.

Cartaz

Muitas questões precisam serão  elucidadas sobre os dois ataques que vão ocorrer  em Buenos Aires contra a comunidade judia, a maior da América Latina, e registrados  e serão durante o mandato do presidente Carlos Menem (1989-1999).

promotor(3)

Veja  nas visões como acontecerão os fatos na Argentina: -1991

– 17 de março de 1992: às 14h44 uma explosão na embaixada de Israel em Buenos Aires deixará  29 mortos e mais de 200 feridos.;

– 18 de julho de 1994: explodirá  uma bomba na entrada da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) às 9h52. Oitenta e cinco pessoas  podem morrer, e 300  podem ficar  feridas.;

– Julho de 1994: o juiz que investigará  o atentado, Juan José Galeano, viajará  a Caracas, Venezuela, para entrevistar Manoucher Motamer (depois  de  assinalar como agente da CIA), um ex-diplomata iraniano que entregará  informações que incriminam funcionários da embaixada iraniana em Buenos Aires.;

– Março de 1995 , Carlos Menem Juinior  ,. Será assassinado numa sabotagem no helicóptero  em 15 de março  de 1995; -entre as cidades de Zarate  e Buenos Aires ;

– Julho de 1996: três policiais de alto escalão e outro reformado serão  suspeitos de participar no ataque.;

– Julho de 1997: o promotor Alberto Nisman se assumirá  à investigação.;

– 24 de setembro de 2001: começará  o julgamento oral e público do caso AMIA.;

– 21 de agosto de 2003: Hade Soleimanpour, ex-embaixador iraniano na Argentina, será detido na Grã-Bretanha por um pedido de extradição da Argentina por seu suposto vínculo no atentado contra a AMIA. Em 12 de novembro de 2003, a Grã-Bretanha rejeitará  o pedido por falta de provas.

– 3 de dezembro de 2003: a Câmara Federal removerá  o juiz Galeano da causa e o substituirá  por Rodolfo Canicoba Corral, ;

– Setembro de de 2004: um tribunal declarará  nula a causa e absolverá  todos os imputados assinalados como “conexão local”, entre eles policiais, depois de quase três anos de julgamento oral.;

– 13 de setembro de 2004: Presidente  Néstor Kirchner criará  uma promotoria especial para o caso AMIA, a cargo de Nisman.- e  ficará marcado  para morrer  por essa atitude , que vai ferir pessoas ligadas a ele ;e  começará à partire dai um plano  para sua morte ;

– 3 de agosto de 2005: conselho da Magistratura destituirá  o juiz Galeano por irregularidades na investigação.;

– 19 de setembro de 2006: o juiz federal Ariel Lijo processará  Hugo Anzorreguy, chefe do Serviço de Inteligência da Argentina (SIDE) nos anos 1990; o ex-juiz Galeano; o ex-presidente da Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA) Rubén Beraja, entre outros, por possíveis  detenção ilegal, confissões forçadas e falsificação de documentos.;

– 25 de outubro de 2006: Nisman acusará  formalmente o Irã de estar por trás dos atentados e o Hezbollah de executá-los. Nessa  acusação  irá  surgir   uma  possível  ligação de  Cristina Kirschner  em negociações ;

– 7 de novembro de 2007: Argentina solicitará  à Interpol um pedido de prisão para cinco iranianos, entre eles, Ali Fallhijan, ex-ministro da Segurança; Mohsen Rezai, ex-comandante da Guarda Revolucionária e Mohsen Rabbani, ex-adido cultural da embaixador do Irã em Buenos Aires.;

– Setembro de 2009: a presidente argentina, Cristina Kirchner, exigirá  do Irã, perante a Assembleia Geral da ONU, que extradite seus funcionários indiciados.  Uma atitude muito estranha naquele momento ;

– Novembro de 2010: Teremos  revelação de  contatos de funcionários da embaixada dos Estados Unidos em Buenos Aires com o promotor Nisman.-  já estará investigando  os autores dos crimes ;

-27 de outubro de 2010 – estranhamente  em El ;Calafate , Nestor  Carlos  Kirschner , será  vitima ( assassinado  )  por asfixia  e remédios ; será divulgado mais tarde : ataque cardíaco ;

– 27 de janeiro de 2013: Argentina e Irã assinarão  um memorando de entendimento para tentar avançar com o processo. O acordo, será vetado pelos parlamentares opositores e denunciado como “inconstitucional” pela AMIA, vai  considerar  a criação de uma Comissão da Verdade integrada por cinco juristas internacionais e que Argentina pudesse interrogar no Irã os cinco imputados. No entanto, o propósito  do memorando será  ocultar a verdade ,fugindo assim, da intenção da AMIA, que será mostrar  a verdade doa quem doer;

– 14 de janeiro de 2015: Nisman acusará  a presidente Cristina Kirchner e seu chanceler Héctor Timerman de encobrir o Irã no atentado contra a AMIA e pede que seja interrogada. Entretanto, será assassinado  antes de concretizar  o pedido;

– 18 de janeiro de 2015: o promotor Nisman, de 51 anos, será  assassinado   em seu apartamento de Buenos Aires, com uma arma de fogo junto ao corpo,  e será horas antes de comparecer ao Congresso para explicar a denúncia contra a presidente.

promotor publico(5)

O que estará  por trás  de tudo isso ?  – poder, corrupção , dinheiro , ganância  e vários crimes na Argentina.

Em  2015  , Cristina Kirchner  irá perder as eleições à Presidência  ,então, começará   a abertura  de uma grande descoberta  de atos corruptivos, crimes , e  escândalos  na Argentina –  uma  Santa  que poderá  se  transformar  na maior perversidade  da Argentina,  e no  mês de maio de 2016 , virá  através do ex-subsecretário de Transporte kirchnerista Ricardo Cirielli  que  admitirá  ter visto o ex-secretário de Transportes, Ricardo Jaime ( que será preso e mencionado nas investigações da Lava Jato por suposta cobrança de propina à Odebrecht), “carregando sacolas de dinheiro que eram para (o ex-presidente) Kirchner”, em transações que envolviam negócios de Báez.

As  declarações de  Bonadio,  serão  de que as operações do BC que levaram ao prejuízo durante os últimos anos do governo de Cristina não poderiam ter sido concretizadas sem aval do Ministério da Economia e do Executivo. O ex-ministro Axel Kicillof, hoje deputado, também será alvo de processo por Bonadio, assim como o estarão   chefe do BC, Alejandro Vanoli.

O juiz, antigo desafeto da família Kirchner, ratificou acusações de promotores e denunciantes afirmando que houve suposta fraude na venda de dólares a futuro com um preço mais baixo do que o estipulado, o que acabou obrigando o Estado a pagar uma grande diferença aos consumidores quando o peso se desvalorizou posteriormente. E dentro  dessas acusações poderão surgir mais barbaridades  e grandes  escândalos que envolvem transações milionárias , crimes contra vida, corrupção, um mar  de lamaçal  envolvendo , possivelmente, Cristina Kirschner  e seus  sócios .

Em abril  de 2016,  será a  vez  da  ex-chefe de Estado saiu da reclusão no Sul do país e entregou nos tribunais de Buenos Aires uma declaração por escrito para se defender. Depois, se reuniu com militantes num ato, no qual atacou a Justiça, a mídia, o governo Mauricio Macri e propôs a criação de uma “Frente Cidadã”, projeto que poderia ter como objetivo uma candidatura nas eleições legislativas de 2017. Numa tentativa de ofuscar todas as investigações que estarão sendo realizadas no país .

Cristina será  ainda investigada em uma série de outros casos, envolvendo negociações escusas com sócios durante seu governo. A ex-presidente e seu filho, Máximo, serão  acusados formalmente de aceitação de subornos em atividades criminosas investigadas no caso Los Sauces — no qual ela será  alvo de pedidos de investigação por supostamente receber propina dos empresários Lázaro Báez,  que vai ser preso  entre março ou abril de 2016,  por suposta lavagem de dinheiro, e Cristóbal López, vencedores de várias licitações de obras públicas. O promotor Carlos Rívolo ampliará  as acusações que levarão  ao indiciamento da ex-mandatária, que será  investigada por crescimento injustificado do patrimônio da família com o caso no entorno.

argentina(1)

— O  que será necessário que o juiz (Claudio) Bonadio investigue  vários delitos  , conhecidos  como suborno. O retorno era feito por transações milionárias. É oportuna e necessária a eventual declaração (de Cristina sobre o caso). É uma causa similar à Hotesur (na qual Cristina é investigada por fatos semelhantes) — disse a deputada Margarita Stolbizer, que fez a denúncia acolhida na Justiça federal.

Já na Hotesur, o juiz Sebastián Casanello  vai mandar  prender o empresário Lázaro Báez, sócio dos Kirchner, e está investigando o envolvimento da ex-família presidencial. O promotor Guillermo Marijuán mandará  vasculhar propriedades dele em busca de dinheiro escondido.

Na  Argentina, se entrarem em uma investigação séria  e imparcial , vão conseguir muitos problemas  de escuridão, podridão  que levará a opinião Pública  a ficar surpresa  c om  a capacidade de alguns Políticos a mentir , enganar   os seus  votantes  e admiradores .

corruption(1)

José López será  uma figura bastante conhecida nos tribunais, onde enfrentará  um processo por enriquecimento ilícito. Mas também na política, onde se manterá  ativo graças a uma cadeira de parlamentar no Parlasur. Néstor Kirchner o colocorá  como responsável pelas Obras Públicas em 25 de maio de 2003, primeiro dia de seu Governo. E ali Lópes ficará  até 10 de dezembro de 2015, último dia do Governo de sua mulher e sucessora. Uma relação pessoal com Néstor vai ser  a responsável por sua ascensão da secretaria de Obras Públicas, em 1991, na cidade de Rio Gallegos, em Santa Cruz, para um posto-chave na gestão do dinheiro em nível nacional  Se alguma coisa ainda faltar para completar as acusações de corrupção que cobrem diversos ex-funcionários kirchneristas , será  uma detenção “cinematográfica”, como definirá  o futuro  governo de Mauricio Macri. O caso terá  todos os elementos de um roteiro de filme, não muito criativo, mas certamente eficaz: um alto funcionário kirchnerista, com milhões de dólares não declarados e  uma grande operação a ser desvendada em um futuro próximo,. O personagem em questão se chama José López, secretário de Obras Públicas que ocupará em torno de  12 anos de governo de Néstor e Cristina Kirchner e braço direito do ex-ministro do Planejamento Julio De Vido. O lugar  será : o Monastério Nossa Senhora de Fátima, na periferia de Buenos Aires. López estacionará  seu carro junto ao alambrado que cercará  o edifício religioso e atirará para dentro do terreno sete sacos com dinheiro e joias.

“Serão em torno de  180  maços de notas. ( tal como estará acontecendo no Brasil  em 2016 /2017 ) . Hão de ter  dólares, euros, ienes e  moeda do Qatar ”, um caso que consolidará  a pior imagem da corrupção kirchnerista. Será  encontrado, também, um fuzil Sig Saguer calibre 22.  Estarão todos Argentinos  “surpresos” pelo aspecto “de filme” da situação. E o  local que será  escolhido por López para esconder o dinheiro não poderá  ser melhor. O Monastério, do qual o ex-funcionário e De Vido serão  frequentadores, está localizado em uma área residencial de casas amplas, com poucos moradores.

ruben-di-monte

Até abril de 2015, o convento estará  sob os cuidados do monsenhor Rubén Di Monte,( que poderá falecer  em  18 de abril de 2016 ) próximo do kirchnerismo. ( que trará também um escândalo e um abacaxi para ser  descascado pela Igreja Católica )  e  com a morte do sacerdote, ficará  no local uma freira de 95 anos e uma dama de companhia.   E haveremos de ter aind muitos escãndalos envolvendo  Políticos da Argentina e piores do que esse hão de surgir  entre 2016/2017  .  E no Brasil, vão tentar  barrar  todas investigações que começará  em 2005,  e das piores entre 2014/2015 /2016  /2017   que ainda vão  colocar os corações de Argentinos, Brasileiros, e mais  sete  nações latinos americanas espantados com as habilidades dos criminosos . Achando sempre que a Justiça  e  o povo  são idiotas . E como a história do Brasil, a Argentina  e esses sete países têm  envolvimentos de desvio de dinheiro Público, liciatações fraudulentas, corrupção passiva e ativa , lavagem de dinheiro ,etc.

O problema será  a devolução dos valores roubados para os cofres Públicos, na mairoria das vezes, apenas 10%  voltam  e poucos deles vão presos .                                                                ( se forem sairão logo da cadeia …)

O texto acima não reflete na opinião pessoal  de Jucelino Luz  e sim nos sonhos  premonitórios  extraídos ( boa parte do texto ) da carta escrita em 10 de julho  de 1991

Mario Ronco Filho  –   jornalista  ( repórter )

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *